Bactéria carnívora


A imprensa popularizou o termo “bactéria carnívora” para se referir a uma infecção muito rara mas grave bacteriana conhecida como fasceíte necrotizante. Fasceíte necrotizante é uma infecção que começa no tecido logo abaixo da pele e se espalha ao longo das camadas de tecido plano (conhecido como o fascia) que separam as diferentes camadas dos tecidos moles, como músculo e gordura. Esta perigosa infecção é mais comum nos braços, pernas e parede abdominal e é fatal em 30% -40% dos casos.

Embora fasceíte necrotizante pode ser causada por uma infecção com um ou mais de uma bactéria, na maioria dos casos a carne-comendo bactérias termo tem sido aplicado para descrever infecções causadas pela bactéria conhecida como Streptococcus pyogenes. O termo consumo de carne tem sido usado, pois a infecção bacteriana produz toxinas que destroem os tecidos, como músculos, pele e gordura. Streptococcus pyogenes é um membro do grupo A streptococci, um grupo de bactérias que são responsáveis ​​por casos leves de dor de garganta (faringite) e infecções da pele, bem como raros, doenças graves como a síndrome do choque tóxico e fasceíte necrotizante. A maioria das infecções com o grupo Um resultado estreptococos na doença leve e não pode mesmo produzir sintomas.

Os sintomas da fasceíte necrotizante incluem vermelhidão, inchaço e dor na área afetada. Bolhas podem ser vistas na área envolvida de pele. Febre, náuseas, vômitos e outros sintomas semelhantes aos da gripe são comuns. Outra característica de fasceíte necrosante é que os sintomas se desenvolvem muito rapidamente, geralmente dentro de 24 horas depois de uma ferida na pele que permitiu que as bactérias invadem os tecidos abaixo da pele. A dor é descrita como sendo mais grave do que seria esperado a partir do aparecimento da ferida. Os sintomas tardios podem incluir a morte (gangrena) de áreas afetadas com escamação, descoloração ou descamação da pele.

Muitas das pessoas que desenvolveram fasceíte necrotizante foram de boa saúde antes de desenvolver a condição. Pessoas com condições médicas crônicas (por exemplo, diabetes e cancro) ou que têm o sistema imunológico enfraquecido têm um risco aumentado de desenvolvimento de fasceíte necrotizante. Feridas recentes (incluindo incisões cirúrgicas) e as recentes infecções virais que causam uma erupção cutânea (como varicela) também confere um risco aumentado.

 

Fasceíte necrosante é tratada com antibióticos e tratamento precoce é fundamental. Hospitalização, normalmente com o tratamento na unidade de terapia intensiva (UTI), é necessária. Cirurgia para remover fluidos e tecidos infectados pode ser necessário, junto com medicamentos para o tratamento de choque e outras complicações em potencial.

Share This